Transporte seu filho com segurança!
publicado em 13/12/2006


Na eventualidade de um acidente, as crianças são mais vulneráveis por suas proporções e anatomia serem significantemente diferentes de um adulto. Por exemplo, a cabeça de um bebê com nove meses de idade representa aproximadamente 25 por cento do peso de seu corpo; em comparação, a cabeça de um homem adulto representa apenas 6 por cento de seu peso.

As proporções da cabeça de um bebê também são diferentes da de um homem, já que o rosto do bebê é relativamente pequeno comparado com o restante da cabeça e do cérebro. Como a ossatura do bebê é mais fina, os ferimentos na cabeça dos Bebês são frequentemente mais sérios que os que ocorrem com adultos.

Outra parte vulnerável incluem o pescoço, que é muito fino, e a pélvis, que até a puberdade, tem pouco desenvolvimento da coluna ilíaca - uma formação óssea que, na eventualidade de uma colisão, ajuda a prevenir que o cinto de segurança escorregue e cause danos nos órgãos internos. É por esta razão que recomendamos que os assentos de segurança infantil sejam voltados para trás para crianças mais novas, e que as crianças mais velhas estejam protegidas pelo cinto de segurança, auxiliado pelo encosto especial.

1 - Como os pais podem escolher o correto assento de segurança para seus filhos?
Escolher o assento de segurança infantil correto é uma das decisões mais importantes que um casal que acaba de ter seu filho pode ter. Pesquisas mostram que é mais seguro que a criança viaje voltada para trás se comparada com as crianças que viajavam voltadas para frente. Na eventualidade de um impacto frontal, as crianças acomodadas em assentos de segurança infantil voltadas para trás tiveram distribuída a força da colisão sobre suas costas, e o apoio do assento suportou a vulnerabilidade do pescoço da criança.


2 - Quem teve a idéia do conceito do 'assento voltado para trás'?
A idéia de levar as crianças voltadas para trás nos carros vem desde os anos 1960. Foi o Professor Bertil Aldman da Universidade Chalmers de Gotemburgo, que teve sua inspiração nos assentos voltados para trás que os astronautas da missão Gemini usaram para a decolagem. Os assentos foram moldados para distribuir as forças da decolagem sobre toda a parte traseira da cabeça dos astronautas.


3 - Por quanto tempo as crianças devem usar este tipo de assento de segurança infantil?
Por ser inerentemente mais seguro que o assento voltado para frente, o tempo para substituição é normalmente entre três e quarto anos de idade, quando a criança começa a crescer. Quando o topo da cabeça da criança atingir o topo do assento, será a hora certa para substituir este sistema.


4 - Esta é a hora de substituir pelo encosto de segurança?
Sim, um encosto de segurança infantil é a melhor maneira de levar uma criança com idade acima de quatro anos. O encosto de segurança infantil pode ser complementado com um suporte para as costas, que auxilia a manter a criança em uma posição mais alta e faz com que a cabeça da criança não fique balançando de um lado para outro caso ele/ela durma durante a viagem.


5 - E o que você acha de colocar a criança no assento dianteiro?
É seguro fixar o assento de segurança infantil no assento do passageiro dianteiro caso o airbag do passageiro esteja desligado ou permanentemente desativado.


6 - Há mais alguma coisa que os pais devem saber?
Mais um fator a considerado pelos pais ao procurar o melhor assento de segurança infantil para seus filhos é se eles vão ou não precisar utilizar o sistema de fixação ISOFIX. O ISOFIX é recomendado para fixar o assento de segurança diretamente na carroceria do carro, removendo assim o risco da instalação frouxa do cinto que pode em algumas vezes ocorrer quando o assento é preso apenas com o cinto. Os assentos ISOFIX também têm seu encaixe mais rápido que qualquer outro sistema de segurança para crianças.


fonte: Volvo

 

Compartilhe esta notícia: