Adesivo da família no carro é bom ou ruim para segurança?
publicado em 17/03/2011

A moda de adesivos retratando a família em veículos já pode ser vista em praticamente todas as grandes cidades do país, mas vale a pergunta: isso é bom ou ruim para a segurança das pessoas?

Cultura da exposição
A cultura da internet com suas várias formas de exposição - orkut, facebook, youtube, etc - deixaram as pessoas mais à vontade para expor sua vida pessoal.



É difícil hoje encontrar um celular sem fotos e informações de familiares e amigos, expondo, num único aparelho muito da intimidade e contatos pessoais de alguém. Assim fica muito fácil para qualquer um, bem intencionado ou não, saber dos detalhes da vida dessa pessoa.

A moda de adesivos
É neste contexto que chega a mania de colar adesivos para carros que retratam a família. Cada adesivo que representa um integrante da família é vendido separadamente, custa de 2 a 5 reais cada um e ainda pode ser personalizado.

Dessa forma, além de retratar o número de integrantes da família, os adesivos podem indicar a faixa etária de cada familiar, as características físicas, o bicho de estimação, os hobbies e qualquer outro tipo de informação.


A questão da segurança
Por isso vale a pergunta: é bom ou ruim para a segurança da família usar esse tipo de adesivo?

A favor
A quem diga que é bom, que isso ajuda a apelar para o conceito "família" para deixar o trânsito mais tranquilo. Lembrar outros motoristas que ali, dentro do carro, existe alguém de família, ou mesmo uma família inteira, e por isso é preciso maiores cuidados e paciência no trânsito para não ferir ninguém.

Mas...
Querendo ou não, o adesivo expõe a vida do motorista, pessoas a quem ele está ligado, a presença em potencial de crianças ou não dentro do carro. Num mundo cheio de pessoas mal intencionadas, será que vale a pena expor-se tanto assim?

Pense antes de agir
Diante destes e outros argumentos, você colocaria ou não sua família colada na traseira do seu carro?


Adesivo de carro família

A família pode ser personalizada com roupas, objetos, tipos físicos e até bicho de estimação.

Compartilhe esta notícia: