Acidente de carro? Saiba o que fazer e não fazer! PARTE 1 
publicado em 21/11/2008



Você já se deparou com um acidente de trânsito, quis ajudar, mas não sabia o que fazer? O Código de Trânsito Brasileiro trouxe a exigência de cursos teórico-técnicos para a primeira habilitação e para quem vai renovar a carteira de motorista, entre os cursos, está o de primeiros socorros.

A importância do conhecimento prévio
Conhecendo as medidas de primeiros socorros você pode impedir que um acidente tenha maiores conseqüências e diminuir os danos causados nas vítimas. As pessoas que estão mais próximas do local devem tomar alguns cuidados e procedimentos básicos antes da chegada do resgate profissional:

Procedimentos Gerais
Tenha uma atitude de solidariedade, e pense friamente sobre o que fazer e o não fazer nas situações de acidente.
Primeiras providências: uma rápida avaliação da vítima; aliviar as condições que ameacem a vida ou que possam agravar o quadro da vítima, com a utilização de técnicas simples; acionar corretamente um serviço de emergência local.

Seqüência das Ações de Socorro
1 - Manter a calma:
num acidente de trânsito, tudo colabora para que nossas reações sejam impensadas, inclusive se estivermos envolvidos na situação. Por isso, controlar o nervosismo ou mesmo a raiva pode evitar o agravo da situação: respire profundamente; veja se você ou alguém sofreu ferimentos; avalie a gravidade geral do acidente; conforte os ocupantes do veículo.

2 - Se alguém já tomou a iniciativa e está à frente das ações: ofereça-se para ajudar; se ninguém ainda tomou a frente, verifique se entre as pessoas presentes há algum médico, bombeiro, policial ou qualquer profissional acostumado a lidar com emergência.
 
3 - Se não houver ninguém capacitado: assuma o controle e comece as ações, com calma; identifique os riscos para definir as ações; mostre decisão e firmeza nas suas ações; peça a ajuda a outras pessoas que estiverem próximas distribuindo tarefas; forme equipe, se necessário, para executar as tarefas; não perca tempo discutindo; passe atividades simples e mais longe do acidente para as pessoas mais contestadoras; trabalhe muito, não fique só dando ordens; motive todos agradecendo cada ação feita.

4 - Se ninguém assumir a liderança: isso pode acontecer, mas numa emergência, é preciso alguém que tenha coragem e forme uma equipe. Seja você esta pessoa. Isso pode definir a vida ou a morte das vítimas.

Como acionar o Socorro
Quanto mais rápido, melhor para as vítimas do acidente.  Em grande parte do Brasil pode-se contar com serviços de atendimento às emergências. São serviços gratuitos que tem, na maioria das vezes, número de telefone padronizado em todo país: Resgate do Corpo de Bombeiros – ligue 193;  SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) – ligue 192; Polícia Militar – ligue 190 (só deve ser acionado quando ocorrer uma emergência em locais sem serviços de socorro).

- Rodovias: cada rodovia deve divulgar o número de telefone a ser chamado em caso de emergência (Polícia Rodoviária Federal, Estadual, ou número da concessionária que geralmente iniciam com 0800). Algumas rodovias dispõem de telefones de emergência nos acostamentos, é só retirar o fone do gancho e aguardar o atendimento.

Mantenha sempre atualizado no seu celular todos os números de emergência disponíveis dos locais por onde você trafega, na hora da emergência a memória pode falhar.

Auxilie o Socorro
Ao chamar o socorro por telefone, informe: o tipo de acidente (carro, moto, caminhão...); gravidade aparente; nome da rua e número próximo; nº de vítimas; pessoas presas nas ferragens; vazamento de combustível ou produtos químicos.
 

- Sinalize o local do acidente: a sinalização deve começar antes do local do acidente ser visível e nos dois sentidos (ida e volta) de maneira que seja mantida uma via segura para os veículos passarem, mantendo o tráfego fluindo. Se o trânsito parar, as viaturas de socorro vão demorar a chegar.

- Material para a sinalização: triângulo de segurança, cavaletes, galhos. Lanternas, pisca-alertas e faróis de outros carros durante a noite ou neblina.

- Distância do acidente para o início da sinalização (em nº de passos longos): vias locais – 40; avenidas – 60; vias de fluxo rápido – 80; rodovias – 100. Pista com chuva, neblina, fumaça, à noite, dobra-se o número de passos. Se encontrar curvas ou elevações durante a contagem, caminhe até o final da curva ou elevação e comece a contar a partir do zero.

 

Leia também:
Acidente de carro? Saiba o que fazer e não fazer! PARTE 2

Fonte: Denatran
Texto: Equipe MotorClube

Compartilhe esta notícia: